O blog está passando por reformulações, desculpe o inconveniente.

Vertumno e Pomona - Historias | NERD Mitológico



Assim  Publius Ovidius Naso - conhecido como Ovidio, poeta romano que nasceu no ano 43 a.C e faleceu no ano 17 d.C,  inicia o poema "Vertumno e Pomona", que narra o mito da inatingível ninfa Pomona, guardiã das árvores frutíferas e do deus romano que presidia as estações do ano e a maturidade das frutas e dos legumes, Vertumno.
Embora fosse muito bela e tivesse vários pretendentes entre pãs, faunos, sátiros, deuses e semideuses, não permitia a aproximação de nenhum deles e vivia isolada cuidando de seus jardins e pomares. Vertumno era o mais apaixonado e vivia arrumando disfarces ou mudando sua forma ( sim, ele tinha esses poderes ) para aproximar-se de Pomona e contemplar sua beleza de perto. Até que certa vez disfarçando-se de mulher velha  entrou num dos pomares de Pomona, com a desculpa de apreciar de perto os lindos frutos, e beijando-a ao cumprimentá-la, beijou-a de um jeito muito diferente do que uma velha beijaria uma jovem. E  sentando-se, observou uma parreira carregada de belas uvas que se enroscava num olmeiro, então disse:
                                        "Ah, se aquela árvore ficasse ali sozinha, sem companhia,
                                         Sem sua parreira, suas folhas seriam a única
                                         Razão para olhá-la, e a parreira,
                                         Descasada do olmo onde se pendura
                                         Ficaria arrastando-se no chão empoeirado!
                                         Você imita o exemplo da parreira.
                                         Não quer se casar, juntar-se a outra pessoa." *


Vertumno, disfarçado de velha, prosseguiu com seu argumento, aconselhando Pomona a ignorar os demais pretendentes e escolher ele mesmo para marido.

                 "E outra coisa a respeito dele:
                  É diferente do resto, não se apaixona
                  Por qualquer mulher que vê. Não é volúvel.
                  Você será seu primeiro, último e único amor
                  Durante toda a sua vida. E ele é jovem, atraente,
                  Consegue mudar de aparência à vontade, será sempre
                  O que você desejar que ele seja, não importa as ordens
                  Que escolha lhe dar. E ele ama as coisas
                  Que você ama: é sempre o primeiro a tratar com carinho
                  Das maçãs que você adora, e enche suas mãos de presentes. Mas o que realmente cobiça
                  Não são as frutas de suas árvores, nem as mais doces ervas
                  Que seu jardim produz, e sim você apenas. Tenha piedade!" *

* Trechos extraidos do poema Vertumno e Pomona, em Metamorfoses, de Ovidio - Ed. Madras

E contou o caso do jovem Ífis, que apaixonado pela princesa Anaxarete, em vão tentava conquistar a amada, recebendo em troca apenas desprezo e humilhação. Não tendo o moço suportado tanta dor, enforcou-se. No momento em que Anaxarete, por acaso, viu o cortejo do enterro passar e constatou que se tratava de Ífis, sentiu seu sangue gelar e não conseguiu mais se mover, pois seu coração de pedra tinha tomado todo o seu corpo, transformando-a em estátua de mámore.



Mas nada do que fora dito surtiu efeito sobre Pomona, e Vertumno, então, resolveu tirar o disfarce, revelando-se. Foi quando a ninfa, encantanda com a beleza daquele deus, apaixonou-se e passou a corresponder aos sentimentos de Vertumno com o mesmo ardor.



Pomona era considerada também uma deusa romana ( Mitologia Romana ) e não tinha correspondente na Mitologia Grega. Diferente de outras divindades da agricultura, ela não era associada à colheita, mas sim com o florescimento dos frutos. Seu nome vem justamente do latim "pomum", que significa "fruto". Talvez por causa da passagem do poema de Ovidio que diz: "E ele ama as coisas que você ama: é sempre o primeiro a tratar com carinho das maçãs que você adora..." as maçãs sejam associadas à Pomona. Não por acaso, na lingua francesa maçã é "pomme", cuja raiz "pom"  da palavra remonta à deusa romana.

Vertumno, era inicialmente uma divindade da civilização etrusca, que ficava no norte da Península Itálica (Italia), civilização essa de origem desconhecida, e que acabou por se integrar de tal forma ao Imperio Romano , que teve sua cultura diluida no mesmo. Vertumno, assim como muitas divindades etruscas, foi adaptado à Mitologia Romana.
Pomona é guardiã dos frutos que nascem e Vertumno rege a maturidade desses frutos, formando juntos o ciclo do desabrochar, crescer e envelhecer eternos, ao rítmo das estações do ano.

Fonte: Viver e Devanear

Um comentário: